RICARDO D´ABREU “CULPA” O PR PELA “MÁ” INTERPRETAÇÃO DO ACORDO

RICARDO D´ABREU “CULPA” O PR

PELA “MÁ” INTERPRETAÇÃO DO ACORDO

Das duas, uma: o ministro dos Transportes nos toma a todos por deficientes mentais, ou ele atribuiu ao Presidente da República uma deficiente compreensão da amplitude do acordo que envolve o Executivo e o Consórcio Opaia Europa, Limitada e IDC International Traiding DMCC.

Através do Decreto n.º 111/24, de 17 de Maio, o Presidente da República autorizou a “despesa no valor de € 323 500 000,00 (Trezentos e vinte e três milhões e quinhentos mil euros) e formalizada a abertura do Procedimento de Contratação Simplificada, pelo critério material, por razões de financiamento externo, para a celebração do Contrato de Fornecimento de 600 autocarros (…)”.

No despacho, o Presidente da República delega no ministro dos Transportes “competência, com faculdade de subdelegar, para a aprovação das peças do Procedimento, verificação da validade e legalidade de todos os actos praticados no âmbito do referido Procedimento, bem como para a celebração e assinatura do correspondente Contrato”.

De acordo com o documento, o propósito da compra de 600 autocarros é o de reforçar a rede de transportes urbanos regular de passageiros em todo as províncias do País.

Terça-feira, 21, quatro dias depois da publicação do Despacho Presidencial no Diário da República, o ministro dos Transportes veio a terreiro sugerir que João Lourenço não percebeu o alcance do acordo. 

Em comunicado, o Ministério dos Transportes “esclarece” que o dinheiro envolvido contempla não apenas a aquisição de 600 autocarros como também o seu transporte para Angola, “seguro de transportes, responsabilidades fiscais aduaneiras, o

fornecimento de equipamentos para a manutenção preventiva e a assistência técnica aos

veículos, assim como a construção da primeira fábrica de montagem de autocarros na Zona

Franca da Barra do Dande, Província do Bengo”.

O Presidente da República não percebeu, igualmente, que “o investimento alocado para esta operação (€ 323.500.000), garante também o

arranque da construção da fábrica num investimento estimado em 90 milhões de euros, com o objectivo de se reduzir a dependência das importações e de promover a autonomia industrial

do país”. 

Visionário, o ministério dos Transportes toma como garantido que num futuro, provavelmente não muito distante, a fábrica de montagem de autocarros não só cobrirá plenamente as necessidades internas como será capaz de exportar veículos para os países vizinhos, com o que estará a contribuir “acentuadamente para a arrecadação e divisas e para a diversificação da economia de Angola”.

No comunicado, o Ministério dos Transportes insurge-se contra o conteúdo do Despacho Presidencial por aludir, exclusivamente, à celebração de contrato de fornecimento de 600 autocarros.

O “Ministério dos Transportes desenvolveu os contactos necessários para a aquisição de novos autocarros – 600 da marca Volvo no imediato – e para a construção de uma fábrica de montagem dos mesmos, que permita ao país gozar da autonomia de que não dispõe de momento. E não – como vem sendo

erroneamente afirmado nos dois últimos dias – para com a compra de novos autocarros desbaratar o dinheiro público”.

Ou seja, o pelouro de Ricardo D´Abreu culpa o Presidente da República por ter gerado na opinião pública a certeza de que Angola vai endividar-se em € 323.500.000 para comprar 600 autocarros, ao preço unitário de € 541.000,00. 

Conhecido pela facilidade com que nomeia e exonera, não se sabe se o Presidente da República assumirá, sozinho, o ónus de ter induzido a opinião pública em erro ou atirará a culpa ao ministro dos Transportes.

Embora seja evidente que o Ministério dos Transportes esticou, apressada e atabalhoadamente, o âmbito do contrato, agregando-lhe “valências” que não estavam previstas, é muito improvável que Ricardo D´Abreu venha a ser responsabilizado pela (nova) tentativa de sobrefacturação.

No Executivo do Presidente João Lourenço, a Ricardo D´Abreu é permitido tudo. É um ministro à prova de bala.

By: Graça Campos

  • Notícias relacionadas

    Negócio “mal explicado” de 600 autocarros por 323,5 milhões de euros do grupo Opaia Europa e IDC International Trading repercute na imprensa internacional

    A estrela de Lourenço está a empalidecer Compra de 600 autocarros vem lançar nova polémica em Luanda. A compra, decidida por contratação simplificada, de 600 autocarros por 323,5 milhões de…

    ANGOLA:Indícios de escândalo financeiro abalam Administração Geral Tributária

    Luanda – Processos de investigação criminal na Administração Geral Tributária (AGT) em Angola, com detenções por suspeitas de corrupção na província de Benguela, apresentam fortes indícios de uma rede associada à…

    Deixe um comentário

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

    Você perdeu

    ANGOLA:MCA entrega projeto de 37 milhões de euros para levar energia limpa a mais de 55 mil pessoas

    • Maio 29, 2024
    • 49 views
    ANGOLA:MCA entrega projeto de 37 milhões de euros para levar energia limpa a mais de 55 mil pessoas

    EUGÉNIO LABORINHO IGNORA DESCONTENTAMENTO DOS POLICIAIS DA GUARDA DE FRONTEIRA DE ANGOLA

    • Maio 29, 2024
    • 14 views

    Negócio “mal explicado” de 600 autocarros por 323,5 milhões de euros do grupo Opaia Europa e IDC International Trading repercute na imprensa internacional

    • Maio 29, 2024
    • 56 views
    Negócio “mal explicado” de 600 autocarros por 323,5 milhões de euros do grupo Opaia Europa e IDC International Trading repercute na imprensa internacional

    ANGOLA:Indícios de escândalo financeiro abalam Administração Geral Tributária

    • Maio 29, 2024
    • 134 views
    ANGOLA:Indícios de escândalo financeiro abalam Administração Geral Tributária

    Governo e sindicatos chegam a acordo e salário mínimo duplica

    • Maio 29, 2024
    • 20 views
    Governo e sindicatos chegam a acordo e salário mínimo duplica

    Secretário de Estado para os Antigos Combatentes impede a imprensa gravar respostas às reclamações dos pensionistas

    • Maio 22, 2024
    • 27 views
    Secretário de Estado para os Antigos Combatentes impede a imprensa gravar respostas às reclamações dos pensionistas