A GEMCORP SEMPRE ROUBOU E COLOCOU O ESTADO ANGOLANO NUMA "SAIA JUSTA" E CADA DIA MAIS APERTADAA GEMCORP SEMPRE ROUBOU E COLOCOU O ESTADO ANGOLANO NUMA "SAIA JUSTA" E CADA DIA MAIS APERTADA

A GEMCORP SEMPRE ROUBOU E COLOCOU O ESTADO ANGOLANO NUMA “SAIA JUSTA” E CADA DIA MAIS APERTADA

image-12 A GEMCORP SEMPRE ROUBOU E COLOCOU O ESTADO ANGOLANO NUMA "SAIA JUSTA" E CADA DIA MAIS APERTADA

Não é comum um Banco Central investir em capital de risco, pois por tradição são conservadores e avessos ao risco que uma elevada exposição a um investimento na mão de um só gestor pode representar. Mas a Gemcorp tem muito peso em Angola e o BNA continua agarrado inexplicavelmente a um investimento que já vem de 2017 e que já deveria ter chegado ao fim mas cujo prazo foi renovado por mais dois anos.

Redação:Confidencial News

O maior credor do Banco Nacional de Angola (BNA), depois de o banco central ter saldado em Novembro de 2022 os últimos 500 milhões USD de um financiamento acordado em 2017 e que tinha repassado ao Ministério das Finanças, mas mantém-se como o principal gestor de activos externos do supervisor bancário, com um nível de exposição bem acima das boas práticas internacionais.

AB-BIo-JPEG-Nov-22-e1679588060691-jpg A GEMCORP SEMPRE ROUBOU E COLOCOU O ESTADO ANGOLANO NUMA "SAIA JUSTA" E CADA DIA MAIS APERTADA
ATANAS BOSTANDJIEV
Fundador e CEO do Grupo
Gemcorp Capital Management Limited

De acordo com o relatório e contas 2022 do BNA, os activos do banco central no exterior geridos por gestores externos estão divididos em fundos de capital de risco, os denominados private equity (288,3 mil milhões Kz), em dívida pública e corporate (191,5 mil milhões), em dívida estruturada (60,7 mil milhões Kz), em depósitos e outros activos monetários (7,5 mil milhões) e em outros instrumentos de capital (5,8 mil milhões). Destes 553,8 mil milhões Kz, um pouco mais de metade, cerca de 286,5 mil milhões Kz, estavam concentrados num único gestor, que concentra 52% do total dos investimentos lá fora geridos por entidades externas ao BNA. Trata-se do Gemcorp Fund Limited, um fundo de capital de risco sedeado no paraíso fiscal das Ilhas Caimão no qual o BNA subscreveu 300 milhões USD em 2017, gerido pela empresa com ligações à Rússia mas sedeada em Londres, a Gemcorp, que em Angola tem vindo a ganhar cada vez mais espaço, estando actualmente em áreas tão dispersas como a mineração, crédito ao Estado angolano, sendo proprietária de 90% da futura refinaria de Cabinda, numa atribuição feita por ajuste directo.

Depois de em anos anteriores o banco central ter registado nos seus balanços este investimento de 300 milhões USD como nulo, porque desconhecia a finalidade do investimento, só em 2021 voltou a inscrever o valor destes activos no balanço, depois de a Gemcorp ter revelado “informação adicional que permitiu avaliar o justo valor deste” investimento. Coincidência ou não, isto só aconteceu depois de o Semanário Expansão ter avançado que a Gemcorp escondeu ao longo dos anos onde tinha sido investido esse dinheiro. E não foi por falta de pedidos por parte do banco central, como afirmou em 2020 ao Expansão o director do Departamento de Reservas do BNA, Avelino dos Santos. A Gemcorp apenas se limitava a entregar ao banco central informação sobre a valorização da carteira, o que fez disparar os alarmes dos auditores externos às contas do BNA.

O desconhecimento acerca do tipo de empresas em que o fundo gerido pela Gemcorp tinha investido fez com que o banco central tenha suspeitado de ter estado a violar a própria lei que esteve em vigor até 2021. O Artigo 39.º da antiga Lei do BNA (Disponibilidades sobre o exterior) da secção IV (Relações Monetárias Internacionais) indicava em que tipo de activos o banco central podia investir, e não excluía investimentos nos denominados private equity, só que limitava- os a entradas “no capital de instituições estrangeiras ou internacionais, com atribuições monetárias e cambiais”. Já a nova lei, publicada em 2021, mantém como imposição que o BNA apenas pode participar no capital de instituições internacionais com atribuições monetárias e cambiais e fazer parte dos respectivos órgãos sociais, pelo que, em princípio, só em caso de a Gemcorp ter aplicado o capital do BNA neste tipo de instituições internacionais com atribuições monetárias e cambiais é que este financiamento cumpre a lei própria do banco central. Mesmo depois de em 2021 ter recebido as tais informações adicionais, o banco central escusa-se a publicá-las nos seus relatórios e contas.

Pressupõe o acima exposto que a GEMCORP possivelmente esteve desde 2017 a emprestar ao Estado angolano o seu próprio dinheiro e ganhando margens chorudas de juros, tal como acontece com os países africanos que utilizam o Franco CFA em que a França lhes empresta o seu próprio dinheiro e com juros, porque são obrigados a guardar no Banco Central Francés cerca de mais de noventa por cento das suas reservas financeiras.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

LinkedIn
Share
WhatsApp