Angolanos pedem a João Lourenço para travar subida de preços da sexta basicaAngolanos pedem a João Lourenço para travar subida de preços da sexta basica

Vendedores e compradores dos principais produtos da cesta básica angolana em Luanda queixam-se da subida de preços, que quase duplicaram desde maio, e apelam à intervenção do “pai” João Lourenço (tal como faziam com o seu antecessor na presidência de Angola, José Eduardo dos Santos), para travar os aumentos. Para este sábado estão agendadas várias manifestações de protesto contra a subida do preço de combustíveis.

Redação:Confidencial News

O recurso à “sócia” (juntar valores com outros compradores para adquirir um mesmo produto), cuja adesão “quadruplicou”, é, por isso, cada vez mais uma alternativa para garantir o sustento mínimo.

Angolanos Começam a Comer Lixo e 2024 será poior

Num armazém de frescos, na conhecida zona da Arosfram, rua direita do Mercado dos Kwanzas (município do Cazenga) os preços dos produtos são afixados na parede em papéis brancos, e a tinta nítida revela que se trata mesmo dos mais recentes. Ali acorreu Catarina de Oliveira, com 25.000 kwanzas (33,7 euros), que disse não terem sido suficientes para comprar sequer a metade de produtos que adquiria anteriormente em valores mais reduzidos.

“Hoje eu vim com 25.000 e fiz apenas ‘sócia’ de rabinhoo [de porco], uma caixa de carcaça de frango de 12.500 kwanzas [16,8 euros] e fiquei apenas com 4.000 kwanzas em mãos, a situação está mal, tenho filhos, marido sem emprego, vamos fazer como?“, desabafou, em declarações à Lusa.

Sentada à entrada do armazém e ladeada de jovens, que com machados aguçados esquartejavam as carnes frescas, Catarina Oliveira explicou que se socorreu da “sócia”, a que se juntaram mais três compradoras com 5.000 kwanzas (6,7 euros) cada para adquirir a caixa de “rabinho”.

image-37 Angolanos pedem a João Lourenço para travar subida de preços da sexta basica

Naquela superfície comercial, a caixa de carcaça de frango de 15 quilogramas já custa 12.500 kwanzas, 10 quilogramas de rabinho de porco valem 15.800 kwanzas (21,3 euros), a caixa de 10 quilogramas de coxa de frango está a 13.200 kwanzas (17,8 euros), enquanto 10 quilos de fígado de vaca estão em 12.200 kwanzas.

Estes preços, segundo os consumidores, quase que duplicaram, se comparados com os praticados há mais de um mês, ocasião em que a caixa de coxa de frango custava 8.000 kwanzas (10,8 euros), recordou Cláudia Almeida.

“Está tudo alto, anteriormente comprávamos a coxa a 8 mil kwanzas, mas agora está a 12.00 kwanzas ou 13.000 kwanzas, comprávamos o saco de arroz a 7.000 kwanzas [9,4 euros], mas neste momento está a 14.000 kwanzas”, disse Cláudia Almeida.

 “Quando cheguei ao armazém, assustei com o preço, sinceramente não estava a acreditar”, lamentou.

“A situação é preocupante e acho que há pessoas que não vão comer, se as coisas continuarem a subir diariamente há pessoas que não vão comer”, atirou a enfermeira, criticando também a precariedade dos salários.

Angolanos pedem a João Lourenço para travar subida de preços da sexta basica

Os preços altos estão a afugentar os clientes e consequentemente reduzir a faturação: “Sim, a procura reduziu, praticamente os clientes começaram a limitar-se por causa dos preços e diminuiu a nossa faturação e esses dias estamos a ter pouca venda”, declarou Kanangwa à Lusa. Diversos produtos que compõem a cesta básica angolana também são vendidos em grande parte dos armazéns localizados na área que circunda o Mercado dos Kwanzas, um dos mais antigos da capital angolana, onde os preços também dispararam.“Os preços estão muito alterados, desde o mês passado começaram a subir os preços, aqui o saco de arroz (de 25 quilogramas) já estava a 8.500 kwanzas e agora está a 14.000 kwanzas e está difícil, e depois esses dias temos poucos clientes”, contou Isabel Afonso.

A funcionária do caixa do armazém referiu que a subida dos preços resulta da escassez do dólar, sendo que o arroz, o óleo e o açúcar “estão agora com pouca saída devido aos preços altos”. A procura por bens de primeira necessidade nesses armazéns é visível pelo número de pessoas que entra e sai do espaço, muitos de mãos vazias e até “indignados” com a subida dos preços, como desabafou Joana Nâmbua Lopes.

image-38 Angolanos pedem a João Lourenço para travar subida de preços da sexta basica

“Estamos a sofrer muito, como é que o arroz vai subir até 15.000 kwanzas? Querem nos matar devagar, se querem nos matar que nos matem já todos, a situação está mal, estamos a sofrer muito”, queixou-se.

A “zungueira” Odete Daniel apontou que as vendas oram condicionadas devido ao processo de reordenamento do comércio na capital, e acrescentou que “levou um susto” ao ver o atual preço da caixa de massa alimentar fixado em 5.400 kwanzas (7,2 euros) contra os anteriores 3.100 (4 euros).

“É complicado, já não nos querem na ‘zunga’, a comida é essa que está cara e ficamos como? Vamos morrer de fome”, atirou a vendedora ambulante.Catarina Oliveira, tal como os demais vendedores e compradores, referiu igualmente a escassez do dólar como uma das razões para o escalar de preços de bens de consumo na capital angolana.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

LinkedIn
Share
WhatsApp