Etiópia. Mais de 91% da população de Tigray está em risco de fome e morteEtiópia. Mais de 91% da população de Tigray está em risco de fome e morte

Tigray, no norte da Etiópia, está “à beira de uma catástrofe humanitária” devido aos efeitos da guerra civil na região, durante dois anos, e a uma seca severa, que deixou mais de 91% da população vulnerável, alertou hoje o Governo.

“Mais de 91% da população está em risco de fome e morte”, declarou o Governo interino da região através de um comunicado.

As autoridades de Tigray atribuíram este cenário à “aniquilação da base económica de Tigray” devido à guerra, para além da deslocação forçada de mais de um milhão de pessoas que agora são “incapazes de se defenderem sozinhas”.

“Para piorar a situação”, a escassez de chuvas sazonais e o aparecimento de infestações de gafanhotos do deserto “combinaram-se para criar uma situação humanitária de pesadelo”, de acordo com o comunicado governamental.

“A quantidade [de ajuda humanitária] que chega às pessoas necessitadas é uma fração do que é necessário para satisfazer as necessidades atuais”, referiu o Governo de Tigray, que lançou um apelo urgente à ação.

“Sem um esforço direcionado a enfrentar esta tragédia, as consequências serão mortais, com ramificações de longo alcance para a paz e a estabilidade nacional e regional”, afirmaram as autoridades.

A Etiópia enfrenta simultaneamente inundações e chuvas torrenciais em partes do sul do país, devido ao fenómeno meteorológico El Niño, e uma seca persistente no norte.

A guerra de Tigray começou em 04 de novembro de 2020, quando o primeiro-ministro etíope, Abiy Ahmed, ordenou uma ofensiva contra a Frente Popular de Libertação do Tigray (TPLF), em resposta a um ataque a uma base militar federal e à escalada das tensões políticas.

Pelo menos 600.000 pessoas foram mortas durante a guerra de Tigray, de acordo com o mediador da União Africana, o antigo Presidente nigeriano Olusegun Obasanjo.

Um acordo de paz selado em novembro de 2022 pôs fim a dois anos de guerra, mas a violência, especialmente a violência sexual, continuou desde então.

Leia Também: “Gaza a lutar contra fome catastrófica. 40% corre o risco de passar fome”

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

LinkedIn
Share
WhatsApp