Ex-presidente Jair Bolsonaro é condenado a oito anos de inelegibilidade

Jair Bolsonaro acredita oficialmente condenado nesta sexta-feira, 30 de junho, a oito anos de inelegibilidade. O Tribunal Superior Eleitoral do Brasil acaba de condenar o ex-presidente brasileiro por abuso de poder político.

Redação:Confidencial News

É uma sanção exemplar e um veredicto histórico. É a primeira vez que o Tribunal Superior Eleitoral declara inelegível,um ex-chefe do Estado

por atos cometidos no exercício de suas funções. A audiência de sexta-feira, 30 de junho, foi tolerada. O placaré definitivo: cinco dos sete magistrados declararam Jair Bolsonaro culpado de “ abuso do poder político e uso indevido dos meios de comunicação”.

Lembramos que três meses antes da eleição, o ex-presidente havia convocado os embaixadores estacionados em Brasília, à residência presidencial. Ele havia feito uma grande apresentação para garantir que o sistema eleitoral fosse passivo de fraude e que, porteto, os militares pudessem surgir como último recurso. Isso é considerado uma verdadeira campanha de desinformação para desacreditar a democracia brasileira.

Inelegível por oito anos

Como consequência prática, Jair Bolsonaro não poderá concorrer à presidência em 2026. O ex-presidente, ausente nas quatro sessões deste julgamento iniciado na semana passada, acredita ter recebido “uma fachada nas costas”. “Estamos a caminho da ditadura”, trovejou, anunciando de imediato que iria percorrer para o Supremo. Jair Bolsonaro garante que não está”morte“politicamente e que”não é o fim da direita no Brasil”, aindaque não possa ser candidato era 2030.

Um dos pesos pesados ​​​​do governo Lula, o ministro da Justiça Flávio Dino, não escondeu a resposta com o julgamento. ” 

A democracia venceu sua prova mas difícil em décadas”, diz ele.

Jair Bolsonaro tem outros julgamentos pela frente. Além de quinze processos na Justiça Eleitoral, o ex-líder é alvo do STF em cinco processos, em especial por seu claro papel como inspirador dos atentados de 8 de janeiro Ela enfrenta uma prisão.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

LinkedIn
Share
WhatsApp