QUEIMA DAS BRUXAS: BELA MALAQUIAS QUER DESCULPAS PÚBLICAS DOS EXECUTORES DA JAMBA

QUEIMA DAS BRUXAS: BELA MALAQUIAS QUER DESCULPAS PÚBLICAS DOS EXECUTORES DA JAMBA
Screenshot-2023-09-23-230838 QUEIMA DAS BRUXAS: BELA MALAQUIAS QUER DESCULPAS PÚBLICAS DOS EXECUTORES DA JAMBA

No dia 7 do mês em curso, o triste episódio de queima às bruxas na Jamba, ex-bastião da UNITA, antigo movimento armado, completou 40 anos, e uma das testemunhas Florbela Malaquias defende que os carrascos peçam desculpas públicas


O apelo foi lançado recentemente em Luanda durante uma palestra que homenageou as vítimas da Jamba, mortas naquele fatídico dia do ano de 1983, a mando de Jonas Savimbi, acusadas de práticas de bruxaria.

WhatsApp-Image-2023-09-23-at-22.22.39-1024x684 QUEIMA DAS BRUXAS: BELA MALAQUIAS QUER DESCULPAS PÚBLICAS DOS EXECUTORES DA JAMBA


“Foram 50 mulheres atiradas à fogueira, acusadas por Jonas Savimbi de bruxas.
As mulheres foram convocadas para irem àsparada, e cada uma foi-se posicionando ao meio à medida que eram chamadas”, diz.
Florbela defende que os algozes venham a público pedir perdão pelos actos cometidos.
“Eles devem arrepender-se e que haja capacidade de abraçarem e acolherem as vítimas, porque no plano emocional e psicológico as feridas são profundas”,desabafa, e acrescenta com um semblante triste que “essas pessoas precisam de repousar em paz, ou seja, de um enterro condigno”.
Emocionada, recorda que “Savimbi tinha uma lista na mão. Depois foram atiradas ao fogo. Estas senhoras contribuíram com lenha para a sua própria fogueira e não sabiam o que lhes iria acontecer”,conta.
Florbela reforça que as vítimas foram acusadas de bruxas e nada ficou provado, e revela que Jonas Savimbi era a pessoa que empurrava as senhoras para a fogueira.“ Quando não conseguia pedia ajuda
dos seus guardas, mas foi ele que comandou a operação”, declara.

WhatsApp-Image-2023-09-23-at-22.27.50 QUEIMA DAS BRUXAS: BELA MALAQUIAS QUER DESCULPAS PÚBLICAS DOS EXECUTORES DA JAMBA

Essa homenagem, diz, é uma promessa antiga e que não podia deixar passar a data em branco.
“A providência quis que isso acontecesse, e felizmente estamos aqui para podermos render um tributo àquelas mulheres”, acrescenta.
A história das queimadas da Jamba, segundo revela, permaneceu durante muito tempo na penumbra, ou mesmo na sombra, e muitos trabalharam para que fosse esquecido.“Poucos trabalharam para que não fosse esquecido, porque são seres humanos.
São mulheres que não tinham nada para serem queimadas”, explica, antiga membro da UNITA, agora líder de um partido político. “Passaram-se 40 anos que não é muito tempo. Este facto faz parte da nossa
história recente, porque ela não passa, ela atrela-se a nós”, defende, a também deputada à Assembleia Nacional, que considera que as vítimas das queimadas da Jamba têm direito à justiça, à reparação à memória, à verdade, porque está em causa a vida de seres humanos.

image-47 QUEIMA DAS BRUXAS: BELA MALAQUIAS QUER DESCULPAS PÚBLICAS DOS EXECUTORES DA JAMBA


“Queremos com isso o acerto de contas com o nosso passado. A nossa memória colectiva precisa de fazer o luto para nos despirmos do peso e falarmos das coisas normalmente”, sublinha, avançando
que “temos que falar das senhoras que foram queimadas vivas, como um dado histórico para que os nomes delas sejam lembrados, como são os casos da Judite Bonga, Vitória Chipati e o seu bebé. Clara Miguel, essa conseguiu desfazer-se da criança, Maria Piedade, João Caetangui, com a esposa e a filha, e tantos outros.
Segundo Florbela Malaquias, as queimadas foram bastante chocantes. “Esse crime de lesa pátria não é imprescritível, ou seja, pode ser invocado a todo o tempo ”, conclui.

Fonte: Jornal Pungo a Ndongo

Screenshot-2023-09-23-232053 QUEIMA DAS BRUXAS: BELA MALAQUIAS QUER DESCULPAS PÚBLICAS DOS EXECUTORES DA JAMBA

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

LinkedIn
Share
WhatsApp